Páginas

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Aziz Mutran Filho (1944-2003)

Quaradouro, 12.08.2007
Aziz Mutran Filho publicou um único livro: “Retalhos de poesias”, lançado aqui mesmo em Marabá em 28 de abril de 2000, sob a chancela da Secretaria Municipal de Cultura. São 64 páginas com 34 poemas escolhidos entre o que produziu e datou desde 1964, além do “curriculum vitae” escrito quando fez 50 anos, em 29 de setembro de 1994. É desse auto-retrato que transcrevo sua própria definição:
“Nasci sob o signo da balança, e por isto tenha vindo ao mundo na forma de contrapeso. Hoje olho para trás e quase nada vejo que me motivos para festejar. Fui durante esses anos todos, um ente repleto de contradições, polivalente por excelência, e comum no sentido mais literal da palavra. Contraí dívidas, fui cobrado e paguei. Aliás, paguei com juros escorchantes.
Durante cinqüenta anos fui um servidor dos interesses alheios. Pouco tempo tive para dedicá-lo a mim mesmo. Na condição de “escada humana”, muita gente utilizou-se dela para subir. Num período, entretanto, que tive para mim, eu soube vivê-lo por inteiro. Conheci algumas terras distantes, nunca além das fronteiras do meu país. Convivi com pessoas as mais estranhas que se possa imaginar. Aprendi ofícios que hoje não servem para nada. O dinheiro sempre foi o meu desafeto número um. Em troca, quando me deparava com ele, esnobava da sua cara. Gastei em sinal de protesto, para reafirmar essa nossa mal- querença.
Tive um amor, que para variar foi frutificar-se por além das minhas cercas. No quintal do vizinho. Em troca, fui feliz na tranqüilidade de uma união que durou até a morte da outra parte[1]. Vivemos a felicidade, mas estava escrito que nos separaríamos antes do outono.
Não aprendi outras línguas. Não viajei pelos sete mares, como sonhei na adolescência. Não pilotei aviões como queria. Não cheguei a serdoutor”, como previra o meu pai. Minha mãe foi para o céu quando eu mal completara dois anos. Por amar demais a minha pequena cidade, vou sendo um hospede constante de Marabá. Aqui espero morrer, e se possível ser cremado e ter as minhas cinzas jogadas metade no Itacaiúnas e a outra metade no Tocantins[2].
Sou pai de uma moça[3], para quem desejo uma vida bem diferente da minha.
Plantei muitas árvores. Tenho uma paixão doida por tudo quanto é tipo de animal (irracional). Certamente é por esta razão que algumas pessoas me tratam como um homem de caráter.
Amei a boemia e as serenatas. Hoje estou fazendo pausa na bebida e tampouco me agrada a noite. Gosto de ver as coisas com clareza. Sou um animal diurno. Escrevo poesias que algumas almas caridosas chegam a elogiar. Não peço dinheiro emprestado, para não receber negativas. Até que de vez em quando preciso e tenho vontade. em troca, sou perseguido por caloteiros que “farejam” quando tenho algum dinheiro no bolso. Depois de mederrubar”, o elemento ainda se transforma em meu desafeto.
Escrevi discursos explosivos, que os outros leram com grande eloqüência. Fiz ofícios, projetos, assumi a subserviência dos meus chefes, e desdobrei-me em rapapés para os chefes dos meus chefes. Isto, sempre a troco de nada. Tudo isto, para que eles crescessem e aparecessem. E como cresceram. E como apareceram. E como riram depois da minha cara de otário.
Mas não me prendi nas cidades. Varei sertões comocomerciante” de galinhas e outros bichos menores. Perdi nesse negócio as poucas economias que tinha. Fui “peão”, trabalhando numa companhia estrangeira que aportou por aqui,durante umcastigoque recebi da Ditadura. Nesse tempo de “peonagem”, pelejei por seis meses no cargo de faz tudo – carreguei pedras, madeira, cortei mato e fiz até curativos... Conheci a mata virgem em toda a sua brutalidade e grandeza. De volta à cidade, após ter comprado, com o saldo, duas mudas de roupa nova e um par de sapatos num “queima”, caí na esbórnia e depois de três dias no cabaré não tinha mais um tostão furado no bolso. Restaram-me uma malária que estava “encubada” e que a cachaça fez aparecer, e uma ressaca inominável, sem poder comprar um mísero sonrizal.
O que posso falar mais? – Ah, sim, sou surdo de um lado. Dei um tiro no ouvido[4]."
-------------------
[1] Tarcisa
[2] Ao contrário do seu desejo, o poeta está sepultado em cova comum no cemitério da Velha Marabá
[3] Corina
[4] Suicida que era, Aziz também cortou os pulsos e acabou se enforcando numa árvore ao fundo do seu quintal.

----------------------

                                                         Espinhos

Não, não me deixes mais sozinho,
caminheira errante dessas vias,
viciada em percorrer caminhos,
inferno este dos meus longos dias...

E partes de maneira inoportuna,
embora eu peça, implore, não me escutas.
Inconsciente, persegues tal fortuna
- miragem que tu chamasminha luta”.

E eu inútil, nem posso acompanhar-te
pois se não sei o que queres e o que buscas
nos momentos em que sinto evaporar-te –

- a cada volta, satisfeito o teu capricho.
nem te dás conta do tanto que definho
com minha cruz e meu cocar de espinhos.

Sempre e sempre

Ocorrem-me lembranças vagas e desertas
de vidas outras, em horas como dantes.
Eu não sabia destas que despertas
com a lembrança onipresente dos amantes

e encho-me de cismas e de espanto-
Não sei se é real e se estou certo
que estou vivendo em tal o breve encanto
e o que será de mim, quando me ver desperto.

Concede-me, Senhor, viver a espera
e não me encurtes a vida enquanto isso.
Ah, se dormisse agora, quem me dera...

E acordasse, e vive e despertado,
e que ao vê-la inteira e preparada
pudesse tê-la sempre do meu lado.


Os anjos que vieram

os anjos não disseram nada.
Vieram os três, a três chamados,
olharam a minha vida destroçada
e foram embora ainda mais calados.

Um, era a Morte, o que chegou primeiro;
o outro brilhava numa luz intensa;
o terceiro era uma espécie de coveiro
- enigmas cruéis desta saudade imensa!

Chamei-os em transe agudo, desvairado,
não tendo um lenitivo ao meu alcance
para a dor passada em pranto desolado.

... E não disseram nada, nem aliviaram
a pena que teima, enquanto avança
na direção do peito que mataram.
(1991)

No bar do Orlando

vem ela outra vez acompanhada.
Quero não vê-la, mas infelizmente,
é mesmo ela quem passa sorridente...

E nem me viu a fitá-la inconformado;
nem um olhar se dignou a dar-me.
e despeitado ou desesperançado
fui ao Bar do Orlando embriagar-me.

Ninguém dessa tortura apercebeu-se,
pois na face contorcida de agonia
um sorriso magoado aparecia.

Mas, após um trago e mais outro trago ardente
do copo amigo pousado à minha frente
seu descaso tornou-se indiferente.
(Marabá, 1968)
-------------------------
O suicídio do poeta pegou a todos de surpresa e comoveu amigos e contemporâneos. Um deles, Amin Zalouth, igualmente de origem sírio-libanesa, dedicou-lhe este belo poema:

Réquiem para Aziz
(março/2003)

Que tristeza teres ido embora assim, Aziz...
No passaporte, apenas visto de partida.
Nenhuma palavra sequer de despedida!
Mas eu espero, nessa tua outra vida,
compensando a existência aqui sofrida,
tua alma n’outro plano consiga ser feliz.

Caro demais o preço da tua procura!
Deste-te fim num gesto de loucura
e sem te preocupares com palavras de censura,
chutaste o balde transbordante de amargura...

Melancólicos no fim da tarde madura
dobraram por ti sequer os sinos da matriz?

Foste assunto para tantas, em cada esquina,
Línguas compridas, afiadas, sibilinas
das comadres, vorazes aves de rapina,
vendo-te imóvel, cheirando a naftalina,
a julgar tua sorte, a tua sina,
como se fossem da tua vida o juiz...
Inerte agora, sozinho numa cova,
não ouves quem tua ida chora, reprova.
Quem te deu na última hora uma prova
de amizade? Amigos? Amigos, uma ova!
Quem leu p’ra ti, na despedida, uma trova,
ou ofertou uma rosa, um jasmim, uma flor de lis?

Aqui, a vida mudou pouco, quase nada:
nosso minério indo embora pela estrada,
o sol castigando as ruas, as calçadas,
a lua brilhando intensa n’alta madrugada,
e logo mais, quase manhã, na alvorada
flores serão arrancadas com galhos e raiz.
Renunciaste à tua cruz, ao teu calvário...
E não se encontra em qualquer livro ou dicionário
tanta coragem para fazer o itinerário
da estrada onde agora segues solitário,
sem dia, sem noite, sem regras, sem horário,
rumo à luz branca, intensa, alva como giz.
Era cedo ainda para ires embora,
mas, disse o poeta, quem sabe faz a hora,
e tu mesmo podias ver a atua aurora.
Partiste. Aqui, a lembrança se demora...
Rezamos por ti. Vai em paz. Sejas feliz.
Mas foi triste teres ido embora assim, Aziz….

2 comentários:

BLOG DO AIRTON SOUZZA disse...

É BASTANTE LOUVAVÉL ESSE BLOG.. NÓS TEMOS QUE MOSTRAR QUE MARABÁ VIVE COM UMA CULTURA DE QUALIDADE, COM BONS ARTISTA.. E QUE POR AQUI NÃO TEM SOMENTE VIOLÊNCIA... QUE BOM REVIVER OS POEMAS DE AZIZ MUTRAN...O MARAVILHOSO RETALHOS DE POESIA... ESSA INICIATIVA VINDO DO POETA MAIOR DE NOSSA PARTE É MELHOR AINDA..
ABRAÇOS MEU QUERIDO ADEMIR...

Ademir Braz disse...

Obrigado, Airton! A intenção é exatamente esta: mostrar a fina arte que se pratica entre nós, como um desafio permanente à ausência de políticas públicas de incentivo à atividade cultural, aqui incluídos todos os ramos artísticos e, principalmente, o extraordinário patrimônio folclórico que está se perdendo no abandono.
Nem só de circo e brega na orla vive a cultura marabaense.
Um abraço!